IV Encontro da Rede de Estudos Sociais da Ciência, Tecnologiae Sociedade (esCTS) | Chamada

Se gostam de mim, vão embora!
Implantando diásporas e ativando cuidados a partir dos bastidores

IV Encontro da Redede Estudos Sociais daCiência, Tecnologiae Sociedade (esCTS)
4-6 de junho de 2014 | Salamanca

dientedeleon
“Se gostam de mim, vão embora!” gritava Lola Flores à beira do desespero,durante o casamento da sua filha Lolita num momento icónico do grotesco cañi… “Se gostam de mim, vão embora!”um apelo ao afeto e ao vínculo que esconde um chuto no rabo.“Se gostam de mim, vão embora!”.Alguma chantagem emocional que leva a um paradoxo imobilizador? Ou um paradoxo que nos mobiliza e revela algumas das contradições em que nos encontramos no presente? “Se gostam de mim, vão embora!” é o que parece terem ouvido muitos jovens que decidiram, demonstrando uma imensa “curiosidade por viajar”, por descolar no trilho da diáspora…. A todo o momento… Jovens e não tão jovens que dizem: “não vamos, precisam de nós” e que são apresentados pelas autoridades como um exemplo de “mobilidade internacional”, Fátima Bañezdixit.

Numa altura em que as tesouras da autoridadeestão ocupadas a cortar, a desmantelar e emagrecer a administração pública, o sistema de ciência e tecnologia e a vida social em geral; numa altura em que se eliminam os benefícios na área da saúde e que se diminui o espectro dos beneficiários desse tipo de cuidados; numa altura em que se aumentam as propinas na educaçãoe as bolsas se tornaram algo inatingível, resultando na expulsão do ensino superior por parte dos cidadãos com menos recursos; numa altura em que se paralisam contratos e projetos de formação, impedindo a continuidade do trabalho de muitos jovens no campo da investigação científica; apropriamo-nos nós do grito “Se gostam de mim, vãoembora!”, fazendo dele o mote do próximo encontro da Rede.

Esse gritoé talvez o que melhor resumeessa espécie de convite cego e sem garantias que parece abrir-seaos nossos olhos. Um salto para o vazio ouum trampolim?Tal expressão contém, ainda assim,de alguma forma a ironia daresistência. Mostra os mecanismos quotidianos utilizados no desenho de novas vidas que podem ser vividas, as redes que atuam nos bastidores e que permitem que, como anões que somos,tornar possível o trabalho de manutençãoe de cuidado que sustenta a precária estrutura do sistema científico.Não são osgigantes da”excelência”,dos rankingsXangaioudos índices de impactoque movem aatividade científica, mas sim as miríades deanões,de práticas rotineirasnada”heroicas”, de trabalho não-reconhecido que se tornainvisível.

Ao adotar a expressão “Se gostam de mim, vão embora!”, gostaríamos de salientar a importância deste trabalho de bastidores neste caminhosobre esse fio tênue entre o absurdo ea miséria, entre a resistência e a sobrevivência,entre a «mala chique» e a precariedade, entre o avião e a sobrecarga de trabalho, numa tentativa de dar visibilidade a esse espaços informais, a essas redes materiais e afetivas, a esses imprescindíveis mas esquecidos cuidados que permitem apoiar-nos uns aos outros e ao sistema científico.

Diásporasque falam de quem parte, mastambém daqueles que ficam, das possibilidades e limitaçõesda viagem,das redesnecessáriaspara essa jornada, dos vínculos mobilizadospara a sua concretização.

Cuidados que enfatizam esse espaço das tarefasdiáriasnas práticas de conhecimento e que assegurama sua manutenção,a partir deuma atenção sistemática em relação aos resultados deuma experiência ou da observações detalhadamenterecolhidasnumtrabalho etnográfico até às manutenções materiais eafetivas das redes e das pessoas…

Bastidorese anõesenfrentando o brilho da supostaexcelência e os gigantesdasmanchetes, isto é,todo esse trabalhofundamental que é impercetível e rapidamente desvalorizado…

Eresistências construídas a partir desses espaços tornados invisíveis.

Participe
O encontroé dirigido a todas as pessoas interessadas na área dos estudos sociais de ciência e da tecnologia, emqualquer uma dasvárias disciplinasque se cruzam(história, sociologia, história da ciência,filosofia da ciência, a medicina, o feminismo, a engenharia,antropologia, psicologia, estudos ambientais, legislação, etc.), independentemente da sua situação académicaougrau deformação.

Como
Todos os interessados devem enviar as suas propostas (máx. 250 palavras) para o e-mail: es.cts.es@gmail.com, até ao dia 8 de Março de 2014 22 de Março de 2014. As propostas podem ser submetidas em qualquer uma das línguas oficiais do Estado espanhol, em inglês ou em português, devendo incluir os dados de contato dos autores (nome, e-mail, instituição).

A participação no encontro é gratuita e livre.

Para o esclarecimento de qualquer dúvida os interessados devem utilizar o emailes.cts.es@gmail.com
Rede de Estudos de Ciencia e da Tecnología do Estado Espanhol (esCTS)
AesCTSé uma rede deprofissionalsem fins lucrativos, cujoobjetivo é colocar em contacto e propiciar acomunicação entre pessoas que trabalhamna área dosestudos sociais de ciência e da tecnologia(CTS). A nossa intenção éconsolidar os estudosCTSno Estadoespanhole abrir umespaço de participação, comunicação e reflexão parainvestigadores já estabelecidos e para aqueles mais jovens que estão no início da sua carreira (doutorandos e recém graduados).

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s